Ruído ambiental e ocupacional



Considerações sobre NR 10 CANAL INFORMATIVO A legislação para EPI EPIs X Insalubridade Perda da Audição Recuperação Térmica WhatsApp X Justa Causa Plano de Contingência NR 35 Sistemas e Equipamentos Canteiro de Obras NBR X NR Prontuário Elétrico Ruído na Construção Civil O que é LTCAT Procedimentos em Obras Segurança e Sustentabilidade Levante dessa cadeira Seminário Construção Civil Inscrição Abertas NR 35 PMOC O CONSTRUIR - Dez 2014 O CONSTRUIR - Nov 2014 O CONSTRUIR - Out 2014 Profissional de SST Cimento X Insalubridade Responsabilidade X EPI Iluminância de Interiores Levantamento Ambiental LAIA Nível Sonoro em dB A Manutenção Elétrica Arcos Elétricos Gestão Sustentável Nossa FANPAGE Primeiro Emprego do TST Os perigos da solda Auditoria Ambiental Acidente com Amônia O CONSTRUIR - Fev 2015 Boletim da Prevenção Governo combate acidente Fanzendo uma palestra Gases em espaço confinado O CONSTRUIR Abril 2015 Estrutura do PPRA Ag. químicos na construção Avaliação de Calor Dicas de Consultoria Planejando o Treinamento Como organizar SIPAT Perdas na construção civil As regras da consultoria Energias perigosas Assessoria ou Consultoria Qualidade do Ar de Interiores Ruído ambiental e ocupacional Padrão no uso de cabo de aço O trabalho a céu aberto 27 de Novembro Limites de Tolerância LT Quantitativa ou Qualitativa Aerodispersóides Dia da Construção Social Contaminantes no AR Guindaste - MUNCK Plataformas elevatórias Aterramento Temporário Legislação Energia Perigosas Risco Elétrico Risco Arco Elétrico SEP - Método de Trabalho Instalações em obras Bernardes Gestão e Serviços Avaliação de poeiras Erros no Treinamento Proibição do Amianto CANPAT 2017 - 2018 Periodicidade de Calibração

AVALIAÇÃO DO RUÍDO AMBIENTAL E OCUPACIONAL

Ruído Ocupacional

Segundo Ponzetto(2007) todo tipo de som desagradável aos funcionários e pessoas é considerado um ruído, seja ele em um ambiente externo ou interno, é responsável pela degradação da qualidade do ambiente urbano e do trabalho. O que é ouvido resulta da relação entre a intensidade e a frequência do som, o qual nos dá o nível de pressão sonora expresso em dB(A) (BELLUSCI, 2012).

A Fundacentro (2012) (NHO-01, item 5) e as normas regulamentadoras (NR- 15, anexo 1) definem o ruído segundo sua intensidade como continuo, intermitente ou impacto e impulsivo.

Ruído Ambiental

O nível de pressão sonora excessiva gerada pelas áreas industriais é um dos grandes agravantes no que diz respeito à qualidade de vida dos grandes centros urbanos. Devido a este agravante, a Constituição Federal. Capítulo VI art. 225, exige a obrigatoriedade do estudo de impacto ambiental antes da implantação de uma obra ou atividade.

No BRASIL quem determina as leis e normas relacionadas ao ruído ambiental é o CONAMA resolução n°1 de 1990, NBR 10.151:2000 e NBR 10.152. Estas determinam métodos de avaliação e quantificação para ruídos ambientais internos e externos, com foco no conforto acústico em ambientes de trabalho e comunidade.

Segundo a norma ISO 1966: deve-se classificar o ruído de acordo com a situação do ambiente no momento da medição:

Ruído Ambiental: Ruído proveniente de todas as fontes ruidosas;

Ruído especifico: É o ruído de uma fonte especifica sob investigação;

Ruído Residual: Quando eliminado o ruído especifico, sob certas condições, resulta em ruído residual;

Ruído Inicial: Ruído em um local onde ainda não houve o inicia das obras e atividades.