Responsabilidade X EPI



Considerações sobre NR 10 CANAL INFORMATIVO A legislação para EPI EPIs X Insalubridade Perda da Audição Recuperação Térmica WhatsApp X Justa Causa Plano de Contingência NR 35 Sistemas e Equipamentos Canteiro de Obras NBR X NR Prontuário Elétrico Ruído na Construção Civil O que é LTCAT Procedimentos em Obras Segurança e Sustentabilidade Levante dessa cadeira Seminário Construção Civil Inscrição Abertas NR 35 PMOC O CONSTRUIR - Dez 2014 O CONSTRUIR - Nov 2014 O CONSTRUIR - Out 2014 Profissional de SST Cimento X Insalubridade Responsabilidade X EPI Iluminância de Interiores Levantamento Ambiental LAIA Nível Sonoro em dB A Manutenção Elétrica Arcos Elétricos Gestão Sustentável Nossa FANPAGE Primeiro Emprego do TST Os perigos da solda Auditoria Ambiental Acidente com Amônia O CONSTRUIR - Fev 2015 Boletim da Prevenção Governo combate acidente Fanzendo uma palestra Gases em espaço confinado O CONSTRUIR Abril 2015 Estrutura do PPRA Ag. químicos na construção Avaliação de Calor Dicas de Consultoria Planejando o Treinamento Como organizar SIPAT Perdas na construção civil As regras da consultoria Energias perigosas Assessoria ou Consultoria Qualidade do Ar de Interiores Ruído ambiental e ocupacional Padrão no uso de cabo de aço O trabalho a céu aberto 27 de Novembro Limites de Tolerância LT Quantitativa ou Qualitativa Aerodispersóides Dia da Construção Social Contaminantes no AR Guindaste - MUNCK Plataformas elevatórias Aterramento Temporário Legislação Energia Perigosas Risco Elétrico Risco Arco Elétrico SEP - Método de Trabalho Instalações em obras Bernardes Gestão e Serviços Avaliação de poeiras Erros no Treinamento Proibição do Amianto CANPAT 2017 - 2018 Periodicidade de Calibração

EPI - Equipamento de proteção individual é de responsabilidade do empregador

05/03/15

Uso tem repercussão na aposentadoria especial do trabalhador
 
O Equipamento de Proteção Individual (EPI) é um mecanismo de uso do trabalhador que serve de proteção para reduzir ou neutralizar agente nocivo no ambiente de trabalho.
 
Marcelo da Costa Maciel Lopes advogado associado do escritório Akiyama Advogados e especialista em direito empresarial, explica que é dever do empregador a manutenção e o zelo das condições do ambiente de trabalho do empregado com a entrega regular de EPI. “O equipamento necessita reduzir ou neutralizar os elementos nocivos que expõem a integridade do empregado pelo trabalho realizado, por isso, não pode ser qualquer um”, avalia.
 
Existem centenas de trabalhos insalubres que acometem os trabalhadores. “ Apenas a entrega do EPI não afasta a responsabilidade de uma reclamação trabalhista”, orienta o advogado.
 
Alguns trabalhos prestados são de fácil percepção pelo trabalhador quanto à nocividade imposta, como a fundição com a alta temperatura, ambientes barulhentos, locais mal iluminados e centenas de ambientes que muitas vezes dependem de perícia ou até os que usam EPI.
 
A reclamação trabalhista constitui a averiguação das responsabilidades do empregador e a oportunidade do empregado aferir o seu ambiente de trabalho quanto ao respeito de sua saúde ou ainda se o empregador entregava corretamente o EPI.
 
O empregado na reclamação trabalhista não tem obrigação de acertar a atividade insalubre que reclama e ainda pode reforçar o pleito com o pedido de assistência judiciária gratuita para não pagar a perícia trabalhista.  “ Um processo de insalubridade irá resultar às empresas despesas previdenciárias e custos dos honorários periciais”, afirma Marcelo.
 
A contestação é vital para afastar o requerimento de insalubridade, devendo juntar  todos os documentos indispensáveis à defesa e outros conexos com o pedido:
 
*Juntar os cartões de ponto pode afastar o tempo de exposição da insalubridade, como o ruído.
 
O empregado pode ter o direito da aposentadoria especial reconhecida para trabalhos insalubres, mesmo com EPI fornecido pelo empregador. “ Neste caso, é possível contar com os benefícios de uma aposentadoria especial, sendo que o período para a sua obtenção será reduzido em razão da prestação de serviços onde o segurado ficou exposto a agentes agressivos a sua saúde ou a sua integridade física”, destaca  Maciel.
 
Caso a nocividade dos agentes presentes no ambiente de trabalho é eliminada ou reduzida a níveis toleráveis pela utilização de EPI eficaz, com a correspondente desoneração da contribuição previdenciária destinada ao custeio do Seguro de Acidente do Trabalho (SAT), paga pelo empregador, não há direito a aposentadoria especial. O adicional de insalubridade incide nos termos do artigo 192 da CLT e a OJ n. 02 da SDI-I do C TSTS: “adicional de insalubridade”. Base de cálculo: salário mínimo.
 
Marcelo da Costa Maciel Lopes é advogado associado do escritório Akiyama Advogados Associados, pós-graduando em direito empresarial pela PUC-SP, pós-graduado em direito do trabalho pela ESA-OAB.SP, pós-graduado em processo civil pela FMU-SP.


Fonte: Segs