Qualidade do Ar de Interiores



Considerações sobre NR 10 CANAL INFORMATIVO A legislação para EPI EPIs X Insalubridade Perda da Audição Recuperação Térmica WhatsApp X Justa Causa Plano de Contingência NR 35 Sistemas e Equipamentos Canteiro de Obras NBR X NR Prontuário Elétrico Ruído na Construção Civil O que é LTCAT Procedimentos em Obras Segurança e Sustentabilidade Levante dessa cadeira Seminário Construção Civil Inscrição Abertas NR 35 PMOC O CONSTRUIR - Dez 2014 O CONSTRUIR - Nov 2014 O CONSTRUIR - Out 2014 Profissional de SST Cimento X Insalubridade Responsabilidade X EPI Iluminância de Interiores Levantamento Ambiental LAIA Nível Sonoro em dB A Manutenção Elétrica Arcos Elétricos Gestão Sustentável Nossa FANPAGE Primeiro Emprego do TST Os perigos da solda Auditoria Ambiental Acidente com Amônia O CONSTRUIR - Fev 2015 Boletim da Prevenção Governo combate acidente Fanzendo uma palestra Gases em espaço confinado O CONSTRUIR Abril 2015 Estrutura do PPRA Ag. químicos na construção Avaliação de Calor Dicas de Consultoria Planejando o Treinamento Como organizar SIPAT Perdas na construção civil As regras da consultoria Energias perigosas Assessoria ou Consultoria Qualidade do Ar de Interiores Ruído ambiental e ocupacional Padrão no uso de cabo de aço O trabalho a céu aberto 27 de Novembro Limites de Tolerância LT Quantitativa ou Qualitativa Aerodispersóides Dia da Construção Social Contaminantes no AR Guindaste - MUNCK Plataformas elevatórias Aterramento Temporário Legislação Energia Perigosas Risco Elétrico Risco Arco Elétrico SEP - Método de Trabalho Instalações em obras Bernardes Gestão e Serviços Avaliação de poeiras Erros no Treinamento Proibição do Amianto CANPAT 2017 - 2018 Periodicidade de Calibração

Qualidade do Ar de Interiores (QAI)

Nos últimos vinte anos, a questão da Qualidade do Ar de Interiores (QAI) de áreas climatizadas para ocupação humana vem despertando a atenção de diversos órgãos governamentais e associações técnicas do mundo inteiro, especialmente na sua relação com saúde humana. Constatou-se que o objetivo de simples conforto humano não é suficiente para preservar a saúde dos ocupantes nos ambientes climatizados.

A Qualidade do Ar de Interiores é o conjunto de condições presentes no ar (físicas, químicas e microbiológicas) influenciadas pela relação entre fontes contaminantes, proliferação pelo ar e partes do sistema e o contato com as pessoas sendo diretamente influenciada pelos sistemas de climatização, seus diversos componentes (dutos, filtros, captação de ar, tratamento do ar, etc), a qualidade do ar externo e as características do ambiente. A interação entre todas estas partes devem ser capazes de fornecer um ar com boa qualidade que possam influenciar não apenas o conforto e a produtividade de seus ocupantes como também não agredir e proteger a sua saúde.

No Brasil a discussão sobre a Qualidade do Ar de Interiores se iniciou em 1998 com a publicação da Portaria 3523 do Ministério da Saúde instituindo a obrigatoriedade do Plano de ManutençãoOperação e Controle (PMOC) que abrange todos os aparelhos de climatização em uso e o conceito de infração sanitária para as questões relacionadas à qualidade do ar. É um marco na concepção da Qualidade do Ar de Interiores no país, mostrando a sua clara relação com a manutenção dos equipamentos. Mas apenas isso não é o suficiente e após cinco anos, em 2003, a ANVISA por meio de uma resolução (RE 09/2003) definiu valores mensuráveis para certas características do ar que sejam indicativos de sua qualidade. Como forma de controle, toda instalação com capacidade maior ou igual a 5 TRs devem ter uma amostragem frequente da qualidade do ar por meio de medições e análises laboratoriais para avaliação das condições físicas, químicas e microbiológicas do ar.