Proibição do Amianto



Considerações sobre NR 10 CANAL INFORMATIVO A legislação para EPI EPIs X Insalubridade Perda da Audição Recuperação Térmica WhatsApp X Justa Causa Plano de Contingência NR 35 Sistemas e Equipamentos Canteiro de Obras NBR X NR Prontuário Elétrico Ruído na Construção Civil O que é LTCAT Procedimentos em Obras Segurança e Sustentabilidade Levante dessa cadeira Seminário Construção Civil Inscrição Abertas NR 35 PMOC O CONSTRUIR - Dez 2014 O CONSTRUIR - Nov 2014 O CONSTRUIR - Out 2014 Profissional de SST Cimento X Insalubridade Responsabilidade X EPI Iluminância de Interiores Levantamento Ambiental LAIA Nível Sonoro em dB A Manutenção Elétrica Arcos Elétricos Gestão Sustentável Nossa FANPAGE Primeiro Emprego do TST Os perigos da solda Auditoria Ambiental Acidente com Amônia O CONSTRUIR - Fev 2015 Boletim da Prevenção Governo combate acidente Fanzendo uma palestra Gases em espaço confinado O CONSTRUIR Abril 2015 Estrutura do PPRA Ag. químicos na construção Avaliação de Calor Dicas de Consultoria Planejando o Treinamento Como organizar SIPAT Perdas na construção civil As regras da consultoria Energias perigosas Assessoria ou Consultoria Qualidade do Ar de Interiores Ruído ambiental e ocupacional Padrão no uso de cabo de aço O trabalho a céu aberto 27 de Novembro Limites de Tolerância LT Quantitativa ou Qualitativa Aerodispersóides Dia da Construção Social Contaminantes no AR Guindaste - MUNCK Plataformas elevatórias Aterramento Temporário Legislação Energia Perigosas Risco Elétrico Risco Arco Elétrico SEP - Método de Trabalho Instalações em obras Bernardes Gestão e Serviços Avaliação de poeiras Erros no Treinamento Proibição do Amianto CANPAT 2017 - 2018 Periodicidade de Calibração

Supremo proíbe uso do amianto em todo o país

André Richter - Repórter da Agência Brasil

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu hoje (29) proibir uso do amianto do tipo crisotila, material usado na fabricação de telhas e caixas d’água. A decisão dos ministros foi tomada para resolver problemas que surgiram após a decisão da Corte que declarou a inconstitucionalidade de um artigo da Lei Federal 9.055/1995, que permitiu o uso controlado do material.

Com a decisão, tomada por 7 votos a 2,  não poderá ocorrer a extração, a industrialização e a comercialização do produto em nenhum estado do país. Durante o  julgamento não foi discutido como a decisão será cumprida pelas mineradoras, apesar do pedido feito por um dos advogados do caso, que solicitou a concessão de prazo para efetivar a demissão de trabalhadores do setor e suspensão da comercialização.

Em agosto, ao começar a julgar o caso, cinco ministros votaram pela derrubada da lei nacional, porém, seriam necessários seis votos para que a norma fosse considerada inconstitucional. Dessa forma, o resultado do julgamento provocou um vácuo jurídico e o uso do amianto ficaria proibido nos estados onde a substância já foi vetada, como em São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, mas permitido onde não há lei específica sobre o caso, como em Goiás, por exemplo, onde está localizada uma das principais minas de amianto, em Minaçu.

As ações julgadas pela Corte foram propostas pela Confederação Nacional dos Trabalhadores na Indústria (CNTI) há dez anos ao Supremo e pedem a manutenção do uso do material. A confederação sustenta que o município de São Paulo não poderia legislar sobre a proibição do amianto por tratar-se de matéria de competência privativa da União. Segundo a defesa da entidade, os trabalhadores não têm contato com o pó do amianto.

De acordo com o Ministério Público do Trabalho (MPT) e outras entidades que defendem o banimento do amianto, apesar dos benefícios da substância para a economia nacional – geração de empregos, exportação, barateamento de materiais de construção -, estudos comprovam que a substância é cancerígena e causa danos ao meio ambiente.

Edição: Amanda Cieglinski