Arcos Elétricos



Considerações sobre NR 10 CANAL INFORMATIVO A legislação para EPI EPIs X Insalubridade Perda da Audição Recuperação Térmica WhatsApp X Justa Causa Plano de Contingência NR 35 Sistemas e Equipamentos Canteiro de Obras NBR X NR Prontuário Elétrico Ruído na Construção Civil O que é LTCAT Procedimentos em Obras Segurança e Sustentabilidade Levante dessa cadeira Seminário Construção Civil Inscrição Abertas NR 35 PMOC O CONSTRUIR - Dez 2014 O CONSTRUIR - Nov 2014 O CONSTRUIR - Out 2014 Profissional de SST Cimento X Insalubridade Responsabilidade X EPI Iluminância de Interiores Levantamento Ambiental LAIA Nível Sonoro em dB A Manutenção Elétrica Arcos Elétricos Gestão Sustentável Nossa FANPAGE Primeiro Emprego do TST Os perigos da solda Auditoria Ambiental Acidente com Amônia O CONSTRUIR - Fev 2015 Boletim da Prevenção Governo combate acidente Fanzendo uma palestra Gases em espaço confinado O CONSTRUIR Abril 2015 Estrutura do PPRA Ag. químicos na construção Avaliação de Calor Dicas de Consultoria Planejando o Treinamento Como organizar SIPAT Perdas na construção civil As regras da consultoria Energias perigosas Assessoria ou Consultoria Qualidade do Ar de Interiores Ruído ambiental e ocupacional Padrão no uso de cabo de aço O trabalho a céu aberto 27 de Novembro Limites de Tolerância LT Quantitativa ou Qualitativa Aerodispersóides Dia da Construção Social Contaminantes no AR Guindaste - MUNCK Plataformas elevatórias Aterramento Temporário Legislação Energia Perigosas Risco Elétrico Risco Arco Elétrico SEP - Método de Trabalho Instalações em obras Bernardes Gestão e Serviços Avaliação de poeiras Erros no Treinamento Proibição do Amianto CANPAT 2017 - 2018 Periodicidade de Calibração

RISCOS DE ARCOS ELÉTRICOS E FLASH FIRE (INCÊNDIO REPENTINO)

O RISCO 

Todos os anos, milhares de trabalhadores no mundo todo, experimentam as consequências de um arco elétrico.

Sendo que a maioria das queimaduras de terceiro grau ocorre por ignição da roupa.

OS ARCOS ELÉTRICOS

Definição:

O arco elétrico é a passagem de corrente elétrica através do ar ionizado. Ele possui natureza explosiva, tem alto poder destrutivo e pode liberar energias térmicas de até 30.000º em uma fração de segundo.

IMPORTANTE!

ARCO ELÉTRICO ≠ CHOQUE ELÉTRICO

PRINCIPAIS IMPLICAÇÕES

A energia liberada pelo Arco elétrico, pode:

  •  Provocar incêndios e destruir equipamentos;
  •  Queimar roupas (por ignição do tecido);
  •  Projetar materiais ionizados;
  •  Emitir raios ultravioletas/infravermelhos;
  •  Irradiar temperaturas que excedem o limite da pele humana = 1,2 cal/cm2

NÍVEIS DE QUEIMADURAS

Primeiro grau: Superficial , só atinge a epiderme ou a pele (causa vermelhidão).

Segundo grau:   Da derme ou superficial,  atinge toda a epiderme e parte da derme (forma bolhas).

Terceiro grau:  Da pele e da gordura ou profunda, atinge toda a epiderme, a derme e outros tecidos mais profundos, podendo chegar até os ossos. Surge a cor preta, devido a carbonização dos tecidos.

A gravidade de uma queimadura está na porcentagem da área do corpo atingida.

  •  Menos de 15%: portador de  queimaduras
  •  Mais de 15%: grande queimado;
  •  Mais de 40%: risco de morte;
  •  Mais de 70%: sobrevida mínima;

EXIGÊNCIA E REFERÊNCIA NORMATIVA

  • NR 10
  • NORMA AMERICANA NFPA 70E – 2004

NORMA NR10

Definição:

Norma Regulamentadora do Ministério do Trabalho e Emprego brasileiro que regulamenta procedimentos de segurança operacional relativos a atividades na área elétrica.

**Não é uma norma de equipamentos e sim de procedimentos para a área elétrica.

NR10 & ROUPAS DE PROTEÇÃO

a) Da necessidade do uso de roupas de proteção:

10.2.9 - MEDIDAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
10.2.9.1 Nos trabalhos em instalações elétricas, quando as medidas de proteção coletiva forem tecnicamente inviáveis ou insuficientes para controlar os riscos, devem ser adotados equipamentos de proteção individual específicos e adequados às atividades desenvolvidas, em atendimento ao disposto na NR 6.
10.2.9.2 As vestimentas de trabalho devem ser adequadas às atividades, devendo contemplar a condutibilidade, inflamabilidade e influências eletromagnéticas.

COMO FUNCIONA A ROUPA DE PROTEÇÃO?

Dissipação térmica.

A roupa deve ter a capacidade de dissipar a temperatura que incide na sua face externa, de modo que, no contato com a pele, esta temperatura não exceda o limite de tolerância da pele do usuário 

A energia térmica é dissipada da face externa para a face interna de cada camada de tecido até chegar ao seu limite, de modo que, no contato com a pele, a energia incidente não exceda 1,2cal/cm2.